• +55 11 98326.8633

Hoje vamos falar de algo que acontece muito dentro das famílias: os rótulos!

RÓTULOS, tanto positivos quanto negativos atrapalham Pais e Filhos a explorarem novas possibilidades de si mesmos!!!

Impede reconhecer a pessoa como um todo! E quando estamos no automático, é muito fácil isso acontecer… Fique atento!!!

Evite expressões como:

– “Viu como você é estabanado?;

– “Falei que você é esquecido… nem lembrou de…”;

– “Eu já sabia, como você é inteligente, só podia ter tirado essa nota mesmo”;

As crianças acreditam em nós, adultos!

Por isso, se o rótulo for negativo, ela vai, a cada dia, internalizar mais e mais aquele rótulo… e como ela fará diferente, se ela “é assim mesmo”?

A dica é: procure ser mais específico quando reclamar de algo, e substitua as frases acima, por algo como:

– “Puxa filho, essa já é a segunda vez hoje que você derrubou suco na mesa. O que você pode fazer da próxima vez, para isso não acontecer novamente? ;

– “O que houve que hoje você esqueceu de pegar sua bola na casa do amigo? Lembra que na quarta passada isso aconteceu também? E o que você pode fazer da próxima vez que for lá, para não esquecer de novo?;

– “Uau que legal essa nota 10 na prova de matemática! Você mereceu, pois afinal, estudou bastante na última semana, não é mesmo?

Veja que nas duas primeiras frases, é muito importante terminarmos com uma pergunta. Inicialmente deixe que a criança proponha uma solução, se isso não acontecer ajude-a. Com isso, ela assimila melhor o que aconteceu e efetivamente  pensa em alternativas para que aquilo não ocorra novamente. Quando nós adultos damos a solução pronta, é possível que ela não ouça com a devida atenção, e tenha dificuldades de lembrar como fazer para não acontecer novamente. Faz sentido isso?

E o rótulo positivo? Pode ser uma pressão muito grande para uma criança… e difícil de sustentar…afinal, não somos perfeitos!

Pode inclusive, impedi-la de fazer novamente algo, que antes ela foi rotulada como “ótima”, porque vai que ela desaponta aquela pessoa ou realmente não se sai tão bem assim… e ela pode vir a pensar “Se eu errar dessa vez, eles podem descobrir que não sou tão inteligente, como eles acham…” Faz sentido isso?

E você, já passou (ou ainda passa) por essas situações? Como você se sentiu?

Como vc acha que os rótulos impactaram em sua vida?

Eu tive alguns rótulos que marcaram bastante a minha infância como “a filha que sempre derruba as coisas na mesa” ou a “a menina- moleque” ou “a orelha de abano!”, entre muitos outros!

Reparem que alguns rótulos chegam a ter, conotação de bullying, o que torna ainda mais grave e pode realmente deixar marcas !

Por isso, nós Pais podemos observar mais as conversas entre os  pequenos e principalmente, sermos exemplos na maneira de falar com nossos filhos,  afinal, já sabemos o quanto somos “espelhos” para eles… Por isso, vamos prestar mais atenção?

Hoje nem pro marido eu faço generalizações, do tipo; “Nossa como você é folgado… não ajuda em nada aqui em casa…” quem nunca rs ??? Vai que ele incorpora de vez esse “folgado” aí já viu!

Aprendi a agradecer pelas cooperações, tanto dele quanto das crianças, e a falar das MINHAS necessidades (de arrumação da casa por exemplo) que sinto que as coisas têm melhorado bastante por aqui ! Mas essa comunicação/ escuta ativa, já é assunto para outro post, não é mesmo?

Vamos juntos?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Melissa Frota Guimarães

Clique no botão de edição para alterar esse texto. Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipiscing elit. Ut elit tellus.

Copyright © 2017 | Melissa Frota Guimarães KidCoach de Pais, Filhos e Escola | Desenvolvido por: WG8 Marketing Com  Resultados